sexta-feira, 24 de agosto de 2012

O caminho da sujeição

Já ouvi por várias vezes que até Jesus, um dia, teve uma oração não respondida, ou atendida por Deus.

Fico a me perguntar, como viverão os que assim crêem - e pior, que se dizem cristãos e, como tal, tem de ter em Cristo, o mediador, o supremo intercessor diante da presença de Deus, das nossas vidinhas frágeis e sempre metidas em confusão, desconcertos e descompassos?

Essa confusão toda refere-se quando, diante da perspectiva da cruz, no momento de agonia de Jesus, no horto, pediu ao Pai: "Afasta de mim esse cálice!". 

Mas esquecemos-nos, ou ignoramos que o seu clamor não parou ai. Houve na mesma sentença um - "Contudo... (porém, entretanto, todavia...) não seja como eu quero, como a minha carne deseja e faça-se a Tua vontade." E PONTO. (Mt 26:38)

Não houve um mas, não houve uma desculpa, não houve contemporização...

Houve uma derradeira conclusão. E atitude própria de quem estava pronto a manifestar a sua maturidade e confiança no amor divino.

Mesmo em face a toda adversidade, ao momento supremo e inédito (pela primeira vez em toda a eternidade passada e futura) de uma separação entre ele e o Pai, Jesus declarou - estou disposto, me submeto, haja o que houver.

Alguém já disse que seguir Cristo, ser cristão, chamar-se por esse nome, é crer que tudo já foi feito, todas as coisas pendentes entre nós e Deus já foi resolvido e a dívida toda quitada por Cristo e agora resta-nos submeter-se a Ele, a quem Deus fez Senhor e Cristo. À sua vontade, à sua ordem e comando, crendo que, HAJA o que houver, nada nos poderá separar do amor de Deus, justamente naquele advogado e sumo-sacerdote fiel e que não pode ser ignorado ou negado pelo Pai. Ponto. 

O resto, é alegoria, é coreografia, é religião.

Que vivamos esse dia nessa perspectiva hoje. Reconhecendo em cada acontecimento, seja ele um pneu furado, um mendigo à porta com a mão estendida, a uma glória recebida, e etcéteras todas, tendo Deus e o seu propósito e chamado a nós, para que o vivamos. Mesmo que tenhamos de nos negar a nós mesmos, aos desejos e conveniências da nossa carne, confiando na Sua vontade - que é boa, perfeita e agradável!

Bom dia a todos!


"Pois, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. De sorte que, quer vivamos quer morramos, somos do Senhor. "
Romanos 14:8


quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Semente bendita

Sempre cri que, conforme o ambiente vivido à volta dos nossos filhos, produz sempre, mesmo às vezes com acidentes de percurso, filhos conforme as raízes que lhes foram garantidas.
Nesse pequeno exemplo, meu neto Davizinho, de 6 anos, prova o que creio, quando soube que a bisavó viria à sua cidade para tratar de sua saúde...

...Ele perguntou à mãe onde os seus avós estavam hoje bem cedinho, ao que ela lhe disse que sua avó tinha ido fazer um exame de sangue porque o médico tinha-o pedido. 
Ele lhe perguntou, sem pestanejar: "Ela está bem, mamãe?" Ela lhe respondeu que estava sofrendo com um pouco de dor. Ele pensa um pouco, olha pra fora pela janela e diz: "Ah, mãe! Eu queria mesmo era sentir essa dor da vovó, aí eu ia lá tirar sangue, eu ia no médico...e não ela". E emendou:... "Mas não tem como passar pra mim, não é?" 
Cheio de misericórdia e graça, ele ficou calado um tempo, depois orou pela avó e pelo dia da família. 

É isso. Não há como plantarmos abóboras, esperando que se tenha melancias...

Um beijo ao meu neto amado. E aos seus pais, pela herança que têm se esforçado por plantar no coração dos filhos.


"Ensina a criança o caminho que deve andar e 
ainda quando for velho, não se desviará dele.” 
Provérbios 22:6