quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Sobre a minha memória e a ação de graças!

Vivo assustado com a minha memória.

Não que me ache demasiado velho, mas reconheço uma certa falha seletiva no armazenamento de fatos que vivenciei.

O pior, é que não só os ruins passam-me do registro, mas os que nunca deveriam ser esquecidos, jamais.


Acho que isso está no DNA.

Falta de memória das coisas boas, as que Deus fez por nós, em nós e para nós e... ingratidão, coisas que andam juntas quase sempre.


Me lembro de certas fórmulas matemáticas que aprendi na infância, mas um livramento daqueles dignos de filme, me fogem sempre à lembrança.

Por isso é que o diabo, o nosso adversário, usa isso e sempre vem com aquela do "desta você não escapa", todas as vezes em que me vejo em dificuldades e provas.

Essa é a sua arma - uma das prediletas: fazer-me crer que essa prova, definitivamente é a maior delas. Como se Deus não me tivesse livrado de outras tantas, iguais ou até muito maiores.

E sofro inutilmente.


Por isso mesmo, por ter de vez em quando - por Deus, é certo - ter refrescada a memória, um hino, daqueles que são patrimônio histórico da igreja cristã, me abençoa imenso, aquele que diz: "Conta as bênçãos, conta quantas são, recebidas da divina mão..." e termina com uma determinada convicção: "...e verás surpreso o quanto Deus já fez!"

Nesse instante, sou animado. Encorajado por também uma verdade reavivada no meu íntimo: sou parte do único povo da terra, mais que vencedor, antes sequer de ter entrado nas batalhas.

Ganhadores, não por mérito ou por esforço, mas por decreto divino, por aquilo que a Bíblia chama "graça"!
Talvez por isso, Paulo insiste tanto sobre algo tremendo, sempre em todas as suas cartas, para que façamos, peçamos ou façamos conhecidas as nossas petições, embaladas por "ações de graça".

E para o quê? Para que Deus não fique magoado? Para que Ele não perca a fome, as horas de sono pensando: "Pôxa, magoei... esse povo não é me é agradecido"...?


Não. definitivamente não. A razão está no fato de podermos agradecer em tudo ("em TUDO dai graças") pelo mesmo motivo de que podemos ter certeza que Ele nos abençoará sempre, em qualquer circunstância...
porque na realidade Ele já o fêz.

Quando deu-nos Cristo (o cordeiro imolado antes da fundação do mundo), com Ele também já nos deu todas as coisas. E as vitoriazinhas cotidianas, miúdas (e que tanto nos apavaram), são só migalhas, sobras, daquilo que Ele, em Cristo já nos deu.

Essa é a lembrança que me abençoou nessa manhã fria e de nevoeiro aqui de Portugal.


"Não andeis ansiosos por coisa alguma; antes em tudo sejam os vossos pedidos conhecidos diante de Deus pela oração e súplica com ações de graças" Fp 4:6

3 comentários:

Kati Rodrigues disse...

Rubinho... obrigada por esse post... maravilhoso... realmente temos a tendência a esquecer do que já passou, do que Deus já fez por nós... nossa tendencia sempre é pedir algo... sei lá! Como quero aprender que independente da situação que me encontro posso dar graças... agradecer... pq como tu lembrou... somos um povo mais que vencederes, mesmo sem ter entrado em uma batalha... Deus é bom! Obrigado! um abraço.
kati

CARLA FABIANE... disse...

Olá , Boa Noite !


"Às vezes a rotina em nossa vida
pode encobrir o quanto são importantes
cada parte que compõe nosso cotidiano.
Há momentos que precisamos despertar
para a benção que representa cada detalhe
e enxergar a beleza de seu significado.
Só assim podemos reencontrar o
sentido de nossa Vida."


...Que sua semana seja Maravilhosa ,
com Amor , Paz e muitas Vitórias...


Deus te abençoe..

Daniel Peccini Correa disse...

Infatti,

As maldiçoes sò tem poder para quem acredita nelas.

abraço

Daniel