quinta-feira, 10 de setembro de 2009

O ministério da consolação


Estou nos Estados Unidos desde anteontem.

Viajei por três estados, várias horas de avião, outras tantas de carro e muita gente precisando de consolo e abraço. Ou, como diria a minha esposa, colo!

Nesse pouco tempo, eu que, conhecendo a solidão e luta da vida missionária - daquele tipo que nos leva pra longe da zona de conforto: casa, família, cultura, língua, temperos... - sei da importância desse ministério negligenciado por quem deveria estar "do outro lado da corda", sustentando e apoiando essa parte do batalhão da fé.

São brasileiros, deverão estar pensando vocês, os que estão por essa banda da terra e carenciados de apoio e ânimo. Nada mais óbvio, se imaginarmos que apesar de tanto falarmos e ouvirmos sobre missões, ainda não aprendemos a cuidar dos que enviamos um dia, mandando alguém (pensam muitos), fazer algo em nosso lugar... mas não. Passei o dia hoje até com americano (que viajou quase 3 horas para estar comigo), também missionário de volta à terra-mãe, cercado de lutas e desafios de um reenvio a outro campo distante e difícil (no alto dos seus 67 anos!!!).

Me lembrei de Paulo, a escrever aos amigos, às igrejas distantes e ligadas à ele: "lembrem-se das minhas cadeias (algemas, prisões, limitações e provações)...".

O super-herói bíblico, o homem das revelações, dos arrebatamentos e discernimentos dos céus enfrentava as provações de maneira extraordinariamente convicta, sustentado pelo poder do alto, mas não tinha problemas em confessar a sua necessidade de ânimo vindo da terra, dos seus, em forma de cartas, visitas...

Sinto que temos sido espirituais demais e pouco, mas muito pouco práticos. No "vamos-ver", Paulo pedia consolo de gente de carne-e-osso. Um abraço, não de penas de anjos, mas de iguais.

Cansado também eu, provei hoje do quão bom e agradável é estarmos juntos. E recebermos consolação uns dos outros, mesmo no confessar das nossas lutas travadas e lágrimas derramadas na solidão dos nossos campos de semeadura, sem ter propriamente no bolso, soluções fáceis para os problemas dos outros. Só o estarmos juntos já nos valeu.

Quando ler esse post, lembre-se (se der!!!), dos amados que você conhece e que um dia disseram sim a Deus e se foram.
E ore por eles, para que Deus os console os encha de ânimo, de coragem e da lembrança que os que os enviaram, ainda estão com eles.
E se possível, faça-os saber disso.

Você pode não saber, mas isso vai produzir neles um bem tremendo.

Um abração e obrigado. E desculpem-me pelo sumiço.

7 comentários:

Cíntia Verdeiro disse...

Querido Amigo, amigo mesmo!

Obrigada por essas palavras, me fizeste chorar.
Obrigada por todo apoio que tem nos dado.
Te amo cara.
És uma referência para mim.

obs: Precisava tanto falar contigo...

Bjs!

Cíntia

Cidinha disse...

Rubinho,eu amo missões ,essa semana em minha igreja estamos orando especificamente aos missionários,sabemos da luta que eles travam no dia a dia para levar o evangelho e o amor de Cristo aos necessitado,sou professora da EBD juniores e estou preparando algo especial para domingo que é o encerramento da semana missionária para as crianças ,para elas saberem a importancia de uma obra missionária.Conte com minhas orações.

Em Cristo

Rubinho Pirola disse...

Obrigado pelo comentário, Cíntia, companheira no campo na Europa e à você, Cidinha, professora de Escola Dominical, que ama missões.
Que Deus as mantenha firmes e cheias da certeza do cuidado do Pai.
E mais: com os corações sensíveis para as necessidades dos seus conservos. Muito vale, por sua eficácia, a súplica do justo.
Um beijão! E, no que tange à mim, agradeço ainda as orações por nós e pela nossa viagem.

Pensar Cristo disse...

Caro Rubinho tenho acompanhado o teu blog faz tempo, e tens sido uma fonte de inspiração. Este post, em particular, abençoou-me.
Obrigado

Josemar Bessa disse...

A igreja é o corpo de Cristo - e através dela Cristo nos abraça, beija, senta junto, estimula...
o Bom combate é bom, não por ser fácil, mas pelo seu alvo - "A GLÓRIA DO DEUS BENDITO" - Como diz Paulo. Ele não era SUPER qualquer coisa. Ele diz em meio ao campo de batalha: "Por fora combates, por dentro temores" - Deus te fortaleça - oremos como Paulo para com os efésios: "Por esta causa, me ponho de joelhos diante do Pai... para que, segundo a riqueza da sua glória, vos conceda que sejais FORTALECIDOS COM PODER, mediante o seu Espírito no homem interior" - Deus te Abençoe.

binha disse...

Querido Pr.Rubinho, sabemos de perto esta realidade quando temos pessoas proximas em missoes, os missionarios precisam mesmo de apoio,tanto psicologico como financeiro, na africa ha missionarios que ate fome passam.

Envio um link com uma entrevista com meu irmao, ja falei tanto do Pastor para para ele.
abracos
Denise

Obs* meu computer esta com problemas,estou sem os acentos todos!!!

http://www.ultimato.com.br/?pg=show_artigos&artigo=2475&secMestre=2488&sec=2507&num_edicao=320

Anônimo disse...

Querido Rubinho:

Que saudade!
Quando você vai aparecer por aqui?
Espero que antes do Fluminense cair para segundona, para juntos brincarmos com o Davi.
Depois que voltamos de Vancouver não atualizamos mais o Blog.

Um grande abraço, amado irmão.

Marcos e Nane