segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Revisãozinha importante e urgente!


"E ouvi uma grande voz no céu, que dizia: Agora é chegada a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo; porque já o acusador de nossos irmãos é derrubado, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite. E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram as suas vidas até à morte."
Ap 10:11,12


Depois da rebordosa de uma luta em favor da vida de alguém que me é muito caro no dia de ontem, acordei esta manhã aberto para Deus, para uma revisãozinha mais do que fundamental: a do coração.

Diante de tanta luta, de tantas quedas, de vergonhas expostas ao vento (e aos olhares atentos do mundo), temos de nos perguntar: "Pai,... e nós?"

Será que sou um cara tido por "certinho" porque tenho sujeitado a minha vida a Ti ou porque as oportunidades de pisar na bola me têm faltado?

A verdade é que não há rigorosamente nada de bom em mim, a não ser o que é Dele, do alto. Nada mais. Por isso sou desesperadamente dependente - feito um drogado qualquer em tratamento - da Sua graça.

Poderíamos todos, os que crêem, pensar que para estarmos de pé naquele dia, vencedores do nosso inimigo, o acusador, o que veio para roubar, matar e destruir, lá no fim da carreira, apenas sermos lavados pelo sangue do cordeiro. É certo que é por ele - o sangue - que vencemos, sendo aceites diante de quem importa - o Senhor da Vida.

E não será por conta de mérito, de pagamento, nem da nossa perfomance. É por graça!

Mas se é certo que o passaporte depende do que Cristo nos ofertou, para estarmos de pé contra tudo que se lhe opôs, para cumprirmos com o eterno propósito de sermos como o Seu louvor, no fim da história, a glorificar, a louvar, a realmente trazer-Lhe honra, é preciso mais do que essas coreografiozinhas, louvação ou cantoria igrejeira.

É preciso que vençamos o inimigo (mais do que com essas declaraçãozinhas ridículas, quase mandingas, repreensões ou os "tá amarrado" mágicas tão folclóricas quanto ineficazes...) o façamos também pela palavra escrita e exposta do nosso testemunho de coerência, justamente o que mais falta aos que dizem "ser de Deus". Não na ribalta, debaixo dos holofotes, nos palcos, nas TVs,... mas em casa, na família, no trabalho do dia a dia, nas relações com os mais pequenos e desprezíveis.

E então, como afirma esse texto acima, na sua parte final, é preciso que não amemos aquilo que o mundo nos dá, o nosso bem-estar, o nosso cabelinho penteado e a roupa engomada do nosso "ofertar o que não nos custa", o que satisfaz a aparência e o que está na superfície e guardarmos (ou tentarmos guardar) para nós aquilo tudo que a carne preza e a barriga pede.

A história é escrita (no caderno de Deus) por gente que afinal, lavou-se em Cristo, teve uma vida coerente com o que creu e ainda, diante do que lhe apetecia o ventre e oferecia-lhe o mundo, não amou a si mesmo até o fim.

Essa revisão é mais do necessária... E que Deus nos ajude!

3 comentários:

Robson disse...

Rubinho, o que eu vou dizer não tem muito a ver com o tópico, mas como vc mencionou o "acusador", deu-me vontade de dar a minha opinião sobre isso

Eu tenho um pé atrás com essas história de "acusador". Acredito que os demônios não são estúpidos de ficar jogando na cabeça das pessoas seus pecados, já que isso as levaria ao arrependimento.

O diabo é nosso acusador diante de Deus, ele não nos acusa diretamente a nós. Acredito que as passagens bíblicas em que essa passagem aparece se refere a um confronto verbal direto entre Deus e o diabo, e não entre o diabo e o homem.

Eu sei que não foi esse o sentido que vc deu à palavra aki neste post, mas de qualquer maneira isso deveria ficar claro nas palavras dos atuais pregadores.

Cintia Abrantes disse...

Estamos juntos e obrigada por tudo!
Beijinho carinhoso!

Cíntia

Sarah disse...

Obrigada amigo meu, por ficares aberto a Deus falar contigo, quando presencias o derrame da Sua graça na vida de outros. Afinal hoje foi aquele, amanhã posso ser eu!
Sem Ele nada somos.