quinta-feira, 2 de julho de 2009

A maldição da fita métrica II

"O líder cristão não precisa de títulos.
E quando os têm não os usa." Ariovaldo Ramos

Há um problema real conosco.

Talvez, esse problema tem a ver com alguns parâmetros errados na balança dos nossos julgamentos, na fita métrica com que medimo-nos uns aos outros e, principalmente na medição do valor e honra que julgamos merecer.

Já basta eu me sentir triste - confesso - quando esquecem-se de mim, quando, julgo merecer algo.

Confesso e pronto. Eu me conheço. Sei do egoísta que existe em mim, para além dos muitos que se apresentam atrás de títulos, cargos, adjetivos e de cartões de visita com quilos de peso, a nos dizerem quão importante são. Dos que agregam ao nome, quando se apresentam: pastor-fulano, ou apóstolo-sicrano...


Tem até horas até - imaginem - em que chego a acreditar que os elogios que me dirigem e os confetis que me atiram, são merecidos.

Acontece que, graças à misericórdia do Pai ainda (e espero poder contar sempre com isso, até ao fim), Ele me lembra sobre algo que aliás, já aprendi: o tamanho de Deus é sempre inversamente proporcional ao tamanho que eu julgo possuir, aos meus próprios olhos.

É assim: toda a medição, toda escala de valores, tem de levar em conta alguns parâmetros, com os quais avalia-se tudo o mais.

Somos maiores a que, a quem? A que nos comparamos?

E a coisa resume-se nisso: quanto maior Deus é na minha vida, tanto menor sou eu. Quanto maior eu parecer a mim, medido pela minha fita métrica, tanto menor Deus será.

Essa era a fita métrica de João Batista (lembram-se? "O maior dentre os nascidos de mulher"). Dizia ele: "Convém que Jesus cresça e que eu diminua". Não tinha outra hipótese.

Foi o que Paulo (o grande!) dizia: "O poder de Deus se aperfeiçoa na minha fraqueza" e ainda "...porque quando estou fraco então sou forte".

O problema é a nossa fita métrica...

Paulo, conforme ia conhecendo Deus, o seu amor, a sua graça, o seu poder, mais ele ia crescendo. Para baixo! Isto mesmo: para b-a-i-x-o-!

Vejam essas afirmações e a ordem cronógica de quando fê-las:

Ano 55 (logo após a sua conversão): "Porque eu sou o menor dos apóstolos, que não sou digno de ser chamado apóstolo, pois que persegui a igreja de Deus." (1 Co 15:9)

Ano 60: "A mim, o mínimo de todos os santos, me foi dada esta graça de anunciar aos gentios as riquezas inescrutáveis de Cristo," (Efésios 3:8)

Ano 64 (pouco tempo antes da sua morte): "Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal." (1 Timóteo 1:15)

Compreendeu? Quanto mais esse conhecia Deus, tanto menos se enxergava. Ou fazia-o pelas lentes da graça - tudo por Deus e para Deus!

Que Deus nos ajude a corrigir essa fita que carregamos...
Essa é a minha oração de hoje!

5 comentários:

Marcello de Oliveira disse...

SHALOM!

1.Uma alegria conhecer seu blog. Que o Deus Eterno resplandeça o rosto Dele sobre ti!

Medite em Isaías 33.6

Em Cristo, Pr Marcello


P.s > visite:

http://davarelohim.blogspot.com/ e veja o texto:

Paulo e PEdro - Semelhanças Notáveis

Danilo Fernandes disse...

Rubinho!

Camarada! Só agora que notei nos créditos da imagem que voce alem de escrever bem tambem desenha!

Aceita encomenda... Risos. Estava precisando de uma imagem mais engraçada para definir o espirito de Genizah! kkk

Abração meu!

Danilo

Danilo Fernandes disse...

Ahhh Esqueci de agradecer pelo link.
Retribui no blogroll. Agora vc virou comparsa kkk

Abs


Danilo

Ambrosius disse...

Prezado Rubinho, Paz!

Primeiramente, aceite os meus sinceros cumprimentos.
Desejo ainda que Deus o continue a inspirar, de forma a que todos quantos seguem os seus Posts, possam continuar a ser abençoados pela sua leitura.
Por fim refiro-me em especial ao seu post da fita métrica II, por sentir que resultou para mim, na resposta do Pai, a um pedido meu em oração, mostrando-me que de certo não sou eu que estou "modesto em demasia" são de facto os outros (alguns outros) que de facto estão se exarcebando no seu alter-ego.
Bem-haja!

Anônimo disse...

Rubin,
Muita saudade cara !!!
Seu nome é " criatividade "... Deus o guarde com tanta competência. Continuas a mesma fera de sempre. Bjs na BE..