quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

A volta, com a graça e não a culpa na bagagem!


"...Porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos". Mt 5:45

Estou vivo.

Depois de um longo verão no Brasil, estou cá de volta à luta.

Ah! o meu avião não caiu. O céu não caiu sobre a minha cabeça. Apesar da tragédia em São Paulo na Igreja Renascer e dos urubús de plantão que teimam em tentar entender o que não é para ser entendido - o porquê da tragédia - e tentarem ligar coisa a outra, a fatalidade com os pecados da casa do vizinho, no caso, o líder daquela comunidade, condenado na justiça americana por alguns deslizes.

O teto caiu e pronto. Viva a lei da gravidade (com ajuda ou não de cupins, vendavais ou outro aditivo qualquer)! Podia ser o de casa, a minha, ou da sua.

Aliás, essa coisa descrita num pensamento chamado "causa e efeito" (toda ação tem uma reação como resultado), marca registrada do espiritismo, hinduísmo e muitas outras crençazinhas (infelizmente também entre nós evangélicos) não tem lugar na Palavra de Deus. Afinal, tetos, caem sobre a cabeça de justos e de injustos assim como as bênçãos de Deus. Se isso não fosse assim, o Congresso Nacional em Brasília e os parlamentos em todo o mundo não teriam uma parede em pé, já pensou? Errou, dançou! Errou está tramado!

Para quem nasce já carregando impresso no nosso código genético e no coração a culpa pela caída lá no jardim, num tempo lá na eternidade passada, todo acidente tem endereço e direção - a nossa culpa por alguma coisa. É aquela do "não se sabe porque se está a bater em algéum, mas alguém sabe porque está apanhar". Para quem nasceu em pecado e sabe que sempre é devedor no cartório celestial, toda porrada é merecida. Principalmente, se esta vier sobre a cabeça dos outros, para quem, via de regra, temos voltado sempre os nossos olhos inquisitores.

Pobres dos que se machucaram e dos que perderam a vida dos seus amados naquele acidente. Mas ainda bem que, para além do pecado e da nossa culpa, temos sobre nós a graça de Deus que nos tem mantido vivos e dando-nos tempo para corrigirmos os nossos passos. Ainda bem que Deus continua a nos tratar com graça a despeito e apesar de sermos quem somos.

Que Deus nos abençoe com pensamentos de graça - que nos ajudam a nos limpar de toda a culpa.

Um comentário:

Lara Gisela disse...

Bem-vindo! Que bom tê-lo de volta, a si, aos seus desenhos e aos seus textos.
Um beijinho