segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Sobre o medo dos bicho-papões, da recessão,... da morte... e de nós próprios!


"O temor do SENHOR é o princípio da sabedoria; os loucos desprezam a sabedoria e a instrução." Pv 1:7

O Medo é um instinto natural. Viemos com esse, digamos, acessório de fábrica após o grande acidente na linha de produção lá no paraíso. Não era para ser mas, convenhamos, é daquelas coisas de que não podemos abrir mão pois funciona assim como um alarme contra as ameças e perigos que nos cercam diariamente. Já pensou se não tivéssemos medo de cobra? Ou de atravessar a avenida da Liberdade em hora de ponta?... Medo de nós mesmos e do que podemos ser ou fazer sem a graça de Deus a nos "aprisionar" o "livre-arbítrio"?

Há também aquele tipo de medo sem objeto, sem razão natural, fruto também desse tipo de vida que levamos a que os psicólogos chamam de ansiedade. Quanto mais as notícias nos vêem das ameças - da recessão, da crise mundial, dos índices de violência... tanto mais temos dificuldade para dormir. E haja lexotans e valiuns...

A Bíblia nos fala de homens - iguaisinhos a qualquer um de nós, que tiveram o medo por companhia. Gideão, David... Paulo e até Jesus, na sua natureza carnal, sentiu na espinha o dedo frio da morte - antes que ela, efetivamente o alcançasse. E assim, todos nós, temos esse aguilhão sempre presente a nos incomodar. Uns mais outros menos.

Nessa manhã, ainda na minha cama, pensava eu - e orava pelos meus filhos, netos e esposa - em viagem - e, diante de toda essa nuvem de ansiedade a teimar em pairar sobre o meu coração, pude ser lembrado da promessa (Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam...)- não importa o que enfrentarei, ou por onde andarei, não preciso temer - para além da presença santa do meu Pai a me acompanhar - nem a morte (que, como afirma o escritor de Hebreus - é aquilo que nos mantém cativos do diabo), nem a sombra dela. É sombra, mas nos assusta, nos faz gelar, mas ainda asism é sombra. A morte, esta danada, já foi vencida. E ninguém, nem coisa alguma me poderá separar o amor de Deus em Cristo Jesus, a quem amo e sirvo (nem um túmulo aprisionará a minha alma, enfim livre na presença do Pai!!!).

* Essa semana, o meu neto, Davizinho (que completa 3 aninhos em Dezembro e que afirmou a sua mãe saber que Jesus o ama, ontem à noite, como razão de estar excepcionalmente alegre!), disse à uma amiga vizinha lá nas Minas Gerais: "Tia, não tenho medo de bicho, nem de monstro... porque Jesus mora no meu coração!".

Amém.... Que este firmeza o acompanhe sempre!

Davizinho, obrigado pela inspiração ao seu avô que tanto precisava ser lembrado disso!